COVID: Diretor do LAIS/UFRN afirma que realização do Carnatal é segura

Ricardo Valentim, diretor executivo do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde, da UFRN, afirmou que cenário atual é mais seguro para o planejamento e realização de eventos do que em 2020.

A realização do Carnatal 2021, considerado o “maior carnaval fora de época do país”, tem causado polêmica e debates entre os natalenses. Principalmente, após o surgimento de uma nova variante do coronavírus, a Ômicron. Contudo, o diretor executivo do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN), Ricardo Valentim, diz que é importante levar em consideração o cenário epidemiológico atual e do mesmo período do ano passado, e quais eventos foram realizados, por exemplo.

O pesquisador ressalta a importância de todos os foliões estarem com o esquema vacinal completo, com a primeira e segunda dose e, para as pessoas que já estão aptas, a dose de reforço. “É isso que vai garantir a segurança. É importante lembrar que, em aglomerações, é fundamental o uso da máscara”

Ele cita a experiência do estado com as eleições de 2020. “Esse foi um grande evento, que mobilizou todas as pessoas envolvidas no processo eleitoral, inclusive todos os eleitores que não estavam vacinados. E, naquele período, tivemos uma explosão de casos. Chegamos a ter, em média, mais de 600 casos por dia pós-eleição. Hoje o cenário é exatamente oposto”, afirma o cientista.

Atualmente, vários eventos de grande porte têm sido realizados em toda extensão do território potiguar, principalmente nos pontos turísticos mais famosos, como as praias da Pipa e São Miguel do Gostoso. Mas, segundo Valentin e dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) diariamente, é perceptível uma redução no número de pessoas que testam positivo para a Covid-19.

Valentim explica que essa redução é causada por uma barreira sanitária criada pelo avanço da aplicação das vacinas contra a Covid, que no RN, a primeira dose, já chegou a 90% de toda a população adulta. “Além das vacinas, ainda temos o uso obrigatório de máscaras, que é outra barreira importante, principalmente em ambientes fechados. Então, considerando o cenário de 2020 com o cenário atual, a avaliação do Lais é que a realidade de novembro e dezembro de 2021 é mais segura para o planejamento e realização de eventos do que em 2020”, garante o diretor do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde.

Foto: divulgação/UFRN

Novo Notícias

Jornal de Parnamirim

Notícia anterior

PF investiga superfaturamento de R$ 130 milhões em impressão de provas do Enem

Próxima notícia

UPA comemora aniversário de 6 anos

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.