Maio Laranja é tema de audiência pública na Casa do Povo

O combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes foi discutido em evento com a presença dos vereadores, autoridades e população

Na tarde desta quarta-feira, 25 de maio, a Câmara de Parnamirim realizou uma audiência pública para debater o combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes. A proposição foi da vereadora Rhalessa de Clênio e o evento ocorreu no Plenário Dr. Mário Medeiros.

A Campanha Maio Laranja busca levar informação à sociedade, dar visibilidade ao assunto e reforçar a importância de proteger as crianças e os adolescentes contra a violência sexual. O evento contou com leituras de textos infantis realizadas pelas alunas da Escola Municipal Professora Enedina Eduardo do Nascimento e de poema recitado pela representante da Secretaria Municipal de Educação de Parnamirim, Neci Fernandes.

Além da vereadora propositora, a mesa foi composta pelo 1º vice-presidente da Casa, vereador Afrânio Bezerra; pela promotora da Infância e Juventude, Gerliana Maria Araújo Rocha; pela conselheira tutelar Maria Jucineide; pelo representante do Conselho da Criança e do Adolescente – COMDICA, Luiz Paulo Silva dos Santos; pela diretora da maternidade Divino Amor, Ana Michelle Cabral; e pelo vereador Thiago Fernandes.

A vereadora Rhalessa de Clênio assinalou a importância em lutar por políticas públicas que “de fato protejam as nossas crianças e adolescentes. Esse tema dói na alma, é algo muito complexo, é um debate que precisa de pessoas de coragem para trazer aqui para a Casa e para mobilizar toda a população.”

A promotora Gerliana Maria Araújo Rocha parabenizou a vereadora propositora por trazer visibilidade a essa questão muito delicada e importante. “A criança é ameaçada e não sabe em quem confiar. Se a pessoa que ela mais confiava no mundo e que tem o dever legal de protegê-la, viola. Em quem ela vai confiar? Então, temos que olhar para os nossos filhos, temos que prestar atenção em redes sociais. Criança não tem condição psicológica de ter rede social. Nós, como sociedade, além do poder público, temos que denunciar, nós temos esse dever legal e constitucional de proteger as crianças”, enfatizou a promotora.

Na extensão da mesa, além da representante da Secretaria Municipal de Educação, estavam a coordenadora do Núcleo Psicossocial, a assistente social Elisangela Fonseca; e a coordenadora da Mulher, Amanda Melo. Também compareceu à audiência pública o vereador Binho de Ambrósio.

Fonte: Vanessa Queiroga – DRT 2936/PB – Ascom/CMP

Jornal de Parnamirim

Notícia anterior

Militares recebem treinamento sobre Campanhas Maio Amarelo e Maio Laranja

Próxima notícia

Curso de Libras para servidores vai ampliar inclusão na Câmara Municipal

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.