O oportunismo comunista de Walter Alves

As forças tradicionais da política norte-rio-grandense vivênciam um acentuado momento de instabilidade. O petismo firma raízes no aparelhamento do Estado, com o vislumbre de uma campanha teoricamente mais fácil que há anos quatro anos. Dai que a chegada de Walter Alves na chapa majoritária indica um oportunismo como em poucos momentos da história política do RN.

Em 2019, na primeira visita de Bolsonaro ao RN, em Mossoró, lá estava o representante da estirpe dos Alves, em acenos e sorrisos na fileira dos políticos do RN que defendiam os ideais do conservadorismo bolsonarista. Walter Alves, naquela ocasião, queria o afago do Planalto para suas indicações e emendas. Em menos de dois anos, eis que surge um novo Walter Alves, vestindo o vermelho petista e agora compondo a chapa comunista de 2022.

Os Alves sempre foram aliados dos comunistas? Alguns fatos históricos respondem. Em 2010, na disputa de entre Fátima Bezerra e Micarla de Sousa, na campanha pela prefeitura de Natal, os Alves preferiram a aliança com o petismo, Garibaldi foi Ministro da presidente Dilma e, Aluísio Alves, nos anos 60, foi cassado e perdeu os direitos por sua aliança com o comunismo. Daí que, não é surpresa a versão petista- comunista de Water ALves, nestes tempos de embate ideológico em que vive o país.

Walter Alves despreza a firmeza e coerência ideológica, como também ignorou os investimentos federais no RN, dos quais até ontem participava e se dizia defensor: para os avanços na mobilidade urbana e nas comunicações, com o esforço dos ministros Rogério Marinho e Fábio Faria. Com o mandato pouco expressivo, Walter cuidou de seus interesses políticos à revelia da proposta federal; buscou o bote salva-vidas oferecido pelo petismo e agora quer o papel de timoneiro nos mares revoltos. Walter ouviu as bases? De maneira nenhuma. O MDB teve seus caciques que a tudo decidem. Ao se converter ao petismo, Walter absorve toda ideologia desse partido esquerdista que defende: fim da propriedade privada, direitos da minorias, ideologia de gênero, legalização do aborto entre outras pautas.
Desta forma, o RN contempla a sórdida aliança de interesses, uma composição poltica que revela o caráter oportunista de um Alves que sempre busca o poder, no encastelamento de uma dinastia que fora combatida pelo próprio petismo, mas que mais uma vez lhe oferece o lastro para a disputa de daqui a alguns meses.

Jornal de Parnamirim

Notícia anterior

Prefeitura realiza Conferência Municipal da Juventude de Parnamirim

Próxima notícia

Ministro detalha motivos para decretar fim da emergência sanitária

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *