Prefeitura discute implantação da Delegacia da Criança e do Adolescente no município

Representantes da Prefeitura de Parnamirim, do Ministério Público e do governo do estado se reuniram na tarde desta terça-feira (21), na sede do Centro Administrativo para tratar e discutir mecanismos para a implantação da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DCA) no município.

Entre os representantes dos órgãos envolvidos estavam a secretária de Assistência Social do município, Alda Lêda Taveira e a adjunta Marta Lopes, o secretário do Gabinete Civil, Homero Grec, Karina Figueiredo, diretora administrativa da Maternidade Divino Amor, a promotora da infância de Parnamirim, Gerliana Araújo Rocha e Paoulla Maués, representante da Delegacia Geral de Polícia Civil (Degepol).

No âmbito da assistência social, a secretária Alda Lêda destacou a importância da implantação do equipamento no município, através da parceria com a prefeitura. “Assegurar os direitos e a integridade da criança e do adolescente é uma das premissas básicas do nosso trabalho. Por este motivo, a implantação dessa delegacia irá garantir mais proteção e segurança para nossos pequenos”, observou.

De acordo com Gerliana Araújo Rocha, promotora da infância de Parnamirim, a parceria com a Prefeitura é muito importante, uma vez que o município já conta com um fluxo de atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, através do programa “Acolher”, no Hospital Maternidade Divino Amor.

O programa permite às vítimas acompanhamento físico e psicológico e realiza ainda a notificação dos casos de violência sexual aos órgãos competentes.

“Estamos querendo fazer isso de uma forma bastante articulada para que a criança e o adolescente que seja vítima tenha esse atendimento integral, tanto na parte de proteção, quanto na parte criminal. Sem sombra de dúvidas, essa parceria vai nos ajudar a amenizar um grande problema, que é a questão da subnotificação dos casos, uma vez que, muitas famílias desistem de fazer essa comunicação à polícia”, destacou.

Karina Figueiredo, diretora administrativa do HMDA, explica que hoje, o município se tornou referencia nesta área, por apresentar um diferencial, que é dar continuidade ao atendimento, importante para a superação, fortalecimento e resgate da cidadania das vítimas.

“Muitas vezes, o agressor é uma pessoa próxima e as vítimas têm muita dificuldade em dar continuidade ao processo. Esse é um dos grandes diferenciais que Parnamirim oferece, a possibilidade de um acolhimento completo e humanizado. Sem nenhuma dúvida, a implantação da DCA no nosso município irá somar substancialmente para este trabalho”, disse.

Fotos: Ana Amaral

Jornal de Parnamirim

Notícia anterior

Edital do concurso da ALRN é publicado e salários podem chegar até R$ 8,3 mil

Próxima notícia

Prefeitura e IFRN ofertam 73 vagas para curso de energias renováveis

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.