Regularidade na coleta de lixo hospitalar contribui para saúde pública de Parnamirim

Sempre preocupada com o bem-estar da população e atenta à preservação do meio ambiente, a Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria de Limpeza Urbana, vem realizando com intensidade o trabalho de zeladoria e limpeza em diversas áreas da cidade. Realizada três vezes na semana, a coleta do lixo hospitalar é uma das atividades que têm um papel importantíssimo para a saúde pública do município.

De acordo com o assessor técnico da Selim, Ari Luiz de Souza, a coleta do lixo hospitalar tem como objetivo fazer o descarte correto de todos os resíduos originados da saúde. “Materiais como seringas, agulhas, objetos perfurocortante, entre outros que são retirados das unidades de saúde, precisam ser coletados com segurança e levados ao seu destino final. Esse mecanismo foi criado pelos órgãos públicos, para evitar danos às pessoas e ao meio ambiente”.

A coleta acontece às terças, quintas e sábados e todas as unidades são contempladas com o serviço. Uma empresa especializada em lixo hospitalar faz todo o processo seletivo. Recolhe, classifica, separa, armazena e leva até uma usina de incineração, onde todo o lixo é incinerado para que não fique nenhum vestígio. Ari Luiz comentou sobre o trabalho feito em Parnamirim:

“Em cada unidade de saúde existe uma quantidade predeterminada de bombonas (lixeiras) para armazenar o lixo. O profissional de limpeza destinado a este setor, transporta os resíduos da sala do médico até a casa do lixo. Nos dias marcados, o coletor chega e troca as bombonas, retira as que estão cheias e deixa novas, lavadas e esterilizadas no local, com isso evitamos uma possível contaminação”.

O assessor técnico lembrou que o trabalho é feito com total segurança, onde os agentes responsáveis pelo serviço usam Equipamento de Proteção Individual e são capacitados na separação do lixo hospitalar e lixo comum, com todo o cuidado no processo e armazenamento para o descarte. Ari Luiz destacou a importância da coleta dos resíduos das unidades de saúde, ainda mais neste período de pandemia:

“Estamos contribuindo para a preservação do meio ambiente. Retirando da cadeia os insumos que são nocivos, considerados tóxicos, infectuosos e perfurocortantes. Se colocarmos no lixo comum e um gari, ou outra pessoa se machucar, é complicado saber o tipo de doença e contaminação possíveis. Nesse período de pandemia, a preocupação é ainda maior para evitar a propagação do vírus, em cada unidade há bombonas específicas só para a covid-19. Redobramos o cuidado no manuseio e descarte”, destacou o assessor técnico da Selim.

Jornal de Parnamirim

Notícia anterior

KLEBER RODRIGUES SUGERE APLICATIVO PARA FACILITAR DENÚNCIAS DE CRIMES

Próxima notícia

Governo segue recomendação do Comitê Científico e adia 3a fase da reabertura

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *