Super Refis já negociou mais de R$ 490 milhões com adesão de 49 mil contribuinte

Um levantamento feito pela Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN) e pela Procuradoria Geral do Estado (PGE-RN) mostra que o Programa de Regularização Tributária (Super Refis) já regularizou a situação de quase 50 mil contribuintes, que tinham pendências com o Estado. O balanço foi divulgado nesta sexta-feira (19), a uma semana de encerrar o prazo para novas adesões, e aponta ainda que o programa foi responsável por negociar e parcelar débitos da ordem de cerca de R$ 490,5 milhões. As adesões seguem até o dia 26 pelo site https://refis2020.set.rn.gov.br/.

O Governo do Estado adiantou que, como esse é o único programa de renegociação de débitos tributários, o prazo foi alongado para dar mais chances aos contribuintes, com duas prorrogações da data, no entanto, não haverá mais adiamento do fim das adesões.  A data final para que o contribuinte possa se regularizar aproveitando as vantagens será  mesmo 26 de fevereiro.

Para aderir, basta o acessar o site do programa e clicar em uma das opções: ‘Débitos Fiscais’ ou ‘Dívida Ativa’. Pode aderir, quem possui dívidas de ICMS e IPVA, que ainda estão na alçada da SET-RN ou as já inscritas na PGE, anteriores a 31 de julho de 2020 para o ICMS e anteriores a 2020 para o IPVA.

O contribuinte pode aproveitar benefícios e condições como descontos sobre juros e multas, que variam de 60% a 95%. Ao optar pelo pagamento à vista, o contribuinte recebe o maior desconto, que é de 95%. No entanto, é possível parcelar em até 60 meses, com descontos progressivos: entre dois e dez meses, o desconto é de 90%. De onze a vinte meses, o abate será de 75% sobre juros e multas.  Acima de vinte e até sessenta meses, o valor descontado será de 60%. Por tudo isso, o programa é o mais abrangente e vantajoso já feito no Estado.

Jornal de Parnamirim

Notícia anterior

Decreto estadual amplia medidas restritivas para conter pandemia

Próxima notícia

Prefeitura incentiva projetos de artistas locais por meio da lei de emergência cultural

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *